24 de maio de 2012

A Maldição do Castelo Verde

A Maldição do Castelo Verde Parte 1 de 3

O Rapaz entrou no barco azul celeste. A curiosidade preenchia a sua cara. Então pegou num lenço e esfregou bem, até tirar todos os pequenos pedaços de curiosidade.

O Rapaz olhou e tocou em todos os cantos desta gloriosa embarcação. Seria nela que aprenderia todos os mistérios do mundo! Seria nela que teria a sua aventura! Seria nela que perderia a virgindade! Pelo menos é o que ele espera, pobre coitado. Com aqueles joelhos esquisitos ninguém o vai querer, a sério parece que ele tem uma caveira nos joelhos, algo ali correr terrivelmente mal.
O Rapaz soltou as amarras e meteu-se ao leme e a caminho, não necessariamente nessa ordem. O velho pescador de saia roxa dizia adeus com a sua cana de pesca feita de papel higiénico e dildos. Do nada uma piranha sadomasoquista saiu do rio e mordeu um dos dildos. “Já ganhei um almoço caralho!” reiterou o pescador.

E com os gritos de prazer do pescador a ecoarem ao longe, o Rapaz percebeu finalmente que estava sozinho, em direcção ao desconhecido e a emoções.  A aventura começava agora! Hmm...espera, ainda não é? Então é quando porra? Ah..ok, no próximo parágrafo. O que eu faço entretanto? Narro o quê pá!? Oh João, não estás a fazer sentido nenhum, não me posso calar e seguir para o próximo parágrafo? Ah já posso? Brigadinho João.

E assim começa a aventura! O barco navegava tranquilamente pelas turbulentas águas quando o rapaz avistou um Castelo Verde. As suas torres eram enormes e cobertas de erva. Todo o Castelo estava coberto de erva e parecia um enorme balde...verde. Sou péssimo em comparações.

O rapaz ficou interessado nesta infra-estrutura única e parou o seu barco azul celeste na margem, atirou-se para a terra e caiu de cara. Um varredor municipal que por lá passava raspou-o de lá para dentro do castelo.
O Rapaz foi então acordado por um sujeito com um casaco militar, tinha uma pêra muito comprida, atada por vários laços, segurava um enorme charro e disse:
“Hey! Eu sou um ananás camuflado.”
Olá Sr. Ananás Camuflado!”
“Wow, pera, pera, pera. Pera, pera, pera. Eu falo???”
O Rapaz ficou perplexo com a situação, viu fumo sair das narinas, bocas, orelhas e olhos do sujeito. Engoliu em seco e disse “Aonde estou Senhor Ananás Camuflado?”
“Meu amigo... estás no Castelo Verde! Onde a pedra nunca acaba! A não ser a pedra verdadeira, essa já não temos. Agora a pedra e ganza temos bué. Aiiii, falei outra vez. Que cena.”

Intrigado, o Rapaz olhou à volta e viu todo o tipo de artefactos que facilitam uma saudável ingestão de estupefaciente psicotrópicos e outros mais naturais e biológicos.

Gordos flutuavam com as suas asas de erva, raparigas eram levadas facilmente para a cama através de sugestões sexuais de velhos pervetidos. Adolescentes riam-se e viam as suas borbulhas crescerem ao ponto de que um deles era uma borbulha gigante com um rapaz pequeno agarrado. Para andar tinha que ir a rebolar, o Rapaz descobriu que esse sujeito era usado como bola de bowling pelos amigos, infelizmente só havia um buraco onde colocar o dedo, e era um buraco merdoso.

Uma rapariga passou pelo Rapaz e disse “Uau, que joelho fixe!” Meu Deus! Uma gaja achou o joelho do rapaz fixe! Será isto o paraíso? Será que o Rapaz poderá realmente perder a virgindade? Será isso um facto? Alright!

Não percam na próxima semana a continuação da história!!! O Rapaz irá descobrir um segredo terrível!

21 de maio de 2012

Da Génese da Sedução: Análise Comparativa Portugal-Polónia

Enquanto não fumava um cigarro à janela, para parecer menos presunçoso, comecei a conceptualizar sobre a génese da sedução. Recolhi os meus pensamentos e a minha experiência empírica dessa actividade e decidi abordar o tema, neste pequeno espaço, de uma forma teórico-absolutista, comparando a mesma técnica de sedução, entre dois países distintos começados com a letra P. Portugal e Polónia.

A relação histórico-política entre estes dois Estados-Nação é frágil e desinteressante. Se queremos abordar este tema de sedução, não poderei utilizar um ângulo histórico-comparativo, nos termos banais e vulgares dos estudos das ciências sociais e humanas, mas sim um estudo comparativo empírico, baseado em vivências pessoais deste vosso caríssimo, nas terras do vodka e do mau futebol.

Estava o ano de 2009 no seu esplendor quando este bravo académico, decidiu aventurar-se na Polónia como estudante de Erasmus. Lá, exerci certas técnicas de sedução (de uma taxa de sucesso penosamente inferior em Portugal) que foram adquiridas com alguns anos de vida académica e através de sugestões femininas menos conseguidas.

Tal não seria o meu espanto ao reparar que a mesma técnica, nos mesmos moldes, com a mesma base teórica tinha uma conclusão oposta à existente em terras lusas. A conclusão sendo eu a gritar de prazer e a dormir na cama de uma recém-conhecida.
Isto foi algo que foi ficando comigo e hoje, ao estar debruçado na janela, não fumando um cigarro, penso que terei chegado a uma conclusão que me agrada eficazmente e que poderá surtir o mesmo efeito nas vossas académicas mentes.

O normal gingar, a pequena subtileza de acrescentar algum charme à nossa voz grave, uma pequena atenção especial, que utilizemos em Portugal, de modo a agradar à fêmea, raramente tem bom efeito. As fêmeas estando fartas destas abordagens adquiriram respostas irónicas e humorísticas, de modo a contra-atacar o golpe de sedução do Homem. A mera ideia de convidar uma fêmea Portuguesa para dançar é nula.
As mesmas técnicas, os mesmos gracejos, obtêm um efeito oposto com as Polacas. Gostam da atenção e da boa educação do Homem, e se este sabe dançar, é uma alegria! O Homem Português, vence o Polaco (em absoluto) pois a nossa técnica de sedução evoluiu fortemente graças às barreiras sexuais da fêmea lusitana. Foi uma alegria reparar que com pouco trabalho conquistava mulheres eslavas.
Isto é apenas possível graças à fêmea portuguesa, à qual quero agradecer, pois tornou-me sexy no estrangeiro e um idiota em Portugal.

Ou seja, a mesma sedução, adquire conclusões diversas, dependendo da nossa posição geográfica no planeta, concluo então que a sedução é uma acção puramente geográfica e o seu estudo deverá se singir a esses cientistas geográficos e não a horrorosos psicólogos formados no ISPA.

A sedução para obter uma fêmea portuguesa necessita de nuances diferentes. Não quero com isso dizer que a fêmea polaca é fácil, apenas não apanhou com a mesma força geral de um Português. O que nos mostra que a sedução tem um carácter darwiniano. Por outro lado, descobri através de experiências empíricas que efectuei com o auxílio de espécimes de fêmea Portuguesa, que um macho polaco, não tem (geralmente) a força para ultrapassar a barreira sexual de uma fêmea portuguesa. 9 em 10 tentativas acabam com uma chapada na face do macho polaco.

Reitero então que a técnica de sedução não é algo de que se deva falar de uma forma geral e vaga, mas sim orientar um estudo específico-geográfico da coisa em si, descobrir as suas nuances nacionalistas e formular uma teoria forte que possa responder às questões fulcrais da sedução: “Como é que eu meto esta gaja na minha cama”.

20 de maio de 2012

Poeta Duval: Canto dos Animais

Poeta Duval não desapareceu. Poeta Duval existe permanentemente. A sua essência flutua entre os verbos, liberta-se perante adjectivos e flui através das emoções, sentimentos e pensamentos dos comuns mortais.
Kaluga Duval fez agora uma tournée pela Europa onde recitou os seus poemas. Passou leste da europa central e sul da europa do norte.
O público chorava e deprimia enquanto a angélica genialidade deste ser magnânimo subia e subia em direcção à glória.

Oiçam este último hit do Poeta Duval "O Canto dos Animais".
video

17 de maio de 2012

Verão! Mamas! Pandas!

Foudasse! Já! Saíam da frente caralho! Já! Já! Já! Adeus casacos!Adeus camisolas de lã! Adeus calças! Adeus boxers!... Ok isso não.

Pó caralho cachecóis de merda, espero que ardam no Inferno! Olá inseguranças!Olá barrigas de cerveja! Olá calor e praia! Olá rabos! Olá MAMAS!

FOUDASSE! Já não era sem tempo. O verão está a chegar. Já sinto a depravação e ebriedade no ar. Uma combinação majestosa e explosiva, da qual eu quero participar todas as noites da minha vida! O quê? Uma orgia com anãs e zebras banhadas com whiskey? Onde é? Eu trago a câmera!

Finalmente passou um ano, eis toda a razão porque continuo vivo. Acesso ilimitado a decotes, rabos, mamas e autênticas pernas! E tudo isso sem ser chulo ou membro do parlamento. Boooya!

Já não me conseguem tirar da praia, passo o dia todo com binóculos e uma erecção. Os binóculos arranjei no chinês, a erecção com uma chinesa! BOOYA!

Este post só serve para uma coisa, anunciar que, deste momento para a frente, é recomendado que passem o dia todo a ver gajas na praia.  Procurem pelas gajas que fazem topless. É o que eu faço, é o que continuarei a fazer.

"Mas oh Pedro! Tu agora que ficaste em segundo lugar no TMN Caça ao Cómico, não devias concentrar-te e trabalhar, agarrar a tua oportunidade?" Hein? O quê? Calem-se pá! A única cena que quero agarrar é o peito de uma bifa e dizer " Don't ever leave daddy, cuz I'll find ya!". Vou-me segurar àquelas mamas como uma dona de casa reprimida agarra-se a uma garrafa de tinto. Até mamar aquela merda toda não largo! Vou secar tanto aqueles peitos que os seus futuros bebés vão morrer esfomeados. A única coisa líquida a sair daquele corpo será sangue de período e sucos vaginais. Espero que os miúdos não chupem no lugar errado.

Mamas pequenas? Rabo gordo? Pernas tortas? Saiam da minha frente, aqui o Pedromeister só quer saber do que é perfeito. Não da minha parte, sou de uma imperfeição genial! Apenas me safo pelos tomates enormes que ostento. Ostento-os muitas vezes na rua, os pavões têm a cauda, há homens que têm os músculos. Eu tenho tomates. As vegetarianas adoram tomates.

Wohooo! Tou bué excitado! Verão!  Calor! Bezanas! Gajas fáceis! Vou requisitar todo o putedo que mereço! Se me virem na rua é melhor afastarem-se, é provável que vos viole. Mas não de uma forma violenta, de uma forma fofa, assim como um coelho a violar um panda incauto. 

Violar pandas... um momento, vou só ali ao zoo experimentar uma cena. É melhor trazer uma espingarda pelo sim pelo não. Alguém sabe o nome que se dá a zoofilia e necrofilia ao mesmo tempo?

14 de maio de 2012

A Viagem do Barco Azul Celeste -2


O Pescador Que Usava Uma Saia – Parte 2 de 2

Todo o Rapaz tremia! Ele depois percebeu que era o telemóvel a vibrar e, após o desligar, não tremeu mais.
O velho pescador que usava uma saia roxa bastante feia, aproximou-se do Rapaz e após uns segundos de suspense disse:
Então caralho? Tu não és a minha noiva asiática, pois não?
O rapaz não percebeu este enigma e então, muito devagar, foi à sua mala e tirou a tarte de maçã saborosa que tinha. Ofereceu-a ao pescador.

“Epa, mas que merda é esta? Tens uma mala mágica que vomita tartes?  Arranjaste isso no chinês? Olha lá, isto não é daquelas tartes fora de prazo pois não? É que a minha sanita já não aguenta mais cocó amarelo.
Esta linguagem erudita e ancestral era muito complexa para os pequenos ouvidos do Rapaz. Como não sabia o que responder o Rapaz começou a dançar a sua dança larilas e  a cantarolar uma músiquinha ainda mais larilas.
“Aaah! Afinal és a minha noiva asiática! Desculpa, não te reconheci sem os meus binóculos. Entra, entra!

O Rapaz percebeu apenas estas duas últimas palavras e muito feliz entrou a rodopiar e a bailar.

 O velho pescador que usava uma saia colocou a sua cana de pesca feita de dildos e papel higiénico dentro de uma boneca insuflável vazia. Depois olhou para a lareira e foi surpreendido pela voz do Rapaz:
Tens um pénigina? Os miúdos dizem que tu és metade mulher, metade homem, é verdade?”

Foda-se, tu falas? Se calhar não és a minha noiva asiática. Que pena, já tinha tomado viagra. Bem rapaz, respondendo à tua pergunta... sim. Tenho um Pénigina. Uma história horrível, já que queres saber. Senta-te em cima da minha saia roxa, vou-te contar algo interessante. Cuidado! Não apertes o meu pénigina que ele agora vai andar activo depois de tomar um frasco de viagra. Se ouvires assobios não te assustes, ele tende a fazer isso., havias de o ouvir a assobiar o Hino da Alegria. Em tempos passados fizemos concertos na Aula Magna e no Coliseu dos Recreios, mas quando nos descobriram fomos expulsos. Pronto vamos mas é lá à história:

O meu pénis engoliu uma vagina e ficou assim. Fim. “

“Só isso?” Perguntou o Rapaz. “Essa história é uma porcaria... andei tanto para descobrir como isso funcionava. Tu és um péssimo hermafrodita!”
Olhó pó cabrãozeco do puto.  Estavas à espera de um Senhor dos Anéis era? De um edição especial de 3 horas? Pois esta é a história que mereces seu merdas. Eu aqui preso nesta cabana a comer tartes fora do prazo e tu com essas coisas. Hás de experimentar a ter um pénigina que assobia! Acorda-me sempre de noite o desgraçado, tive que lhe enfiar uma rolha para se calar, o sacana. O que tu queres afinal pá?”

“Quero descobrir coisas sobre o mundo e aprender tudo o que há para aprender!” afirmou o esperançado Rapaz.


Olha a porra, a única forma de fazeres isso é a viajar! Assim como eu fiz no meu barco azul-celeste! Mas não é viajar em qualquer sítio. Tens que chegar à nascente deste rio aqui, tás a ver? Quando era uma jovem menina fui até ao seu fim e foi assim que me tornei quem sou!
“Sabe... eu não sei se me quero tornar igual a si. Isso do pénigina que assobia, não me chama...”
“Não sejas um idiota, seu parvalhão de merda! Agora entra no Barco e faz-te à vida!”

E assim foi, o Rapaz preparou o barco azul-celeste e meteu-se em viagem.
Assim começa a Lenda do Rapaz e da Viagem do Barco Azul Celeste.

Na próxima semana continua a viagem do Rapaz, na tão esperada Maldição do Castelo verde!

8 de maio de 2012

A Viagem do Barco Azul Celeste


O Pescador Que Usava Uma Saia – Parte 1 de 2

Se era pela curiosidade ou se era pelo puro aborrecimento o Rapaz não o sabia. Mas a verdade é que os miúdos andavam a contar histórias de um Pescador-Mulher, um Senhor-Senhora Barbudo, que amaldiçoava todos os diabretes que lhe atiravam com tartes fora do prazo.,“Eu tenho estima por tartes saborosas!” vociferava o Homem-Mulher, “Mas estas tartes fora do prazo são maléficas para as minhas tripas!”.
 
Os miúdos cantavam poemas e criavam pequenos jogos com base nos contos do Homem-Mulher Barbudo. “Que emoção!” pensava o Rapaz. “Como pode algo tão esquisito e assustador existir e manter uma perfeita combinação de pêlos faciais e terror e não ser um qualquer ideólogo Marxista?” .
Estas histórias foram aumentando e aumentando de intensidade até que o Rapaz não aguentava mais. Ele tinha que descobrir este ser que possuía um pénigina (a mistura de pénis com vagina). Quem seria este Pescador?

O Rapaz meteu a sua Game Boy Color e Pokemon Silver numa mala, juntamente com um pacote de Oreos, dois Um Bongo e uma tarte acabadinha de fazer como presente para o ser mutante abandonado por Deus.

O caminho foi curto mas doloroso. Durante todo aquele tempo um Mosquito licenciado em Marketing e Publicidade tentava sugar a alma ao pobre Rapaz com anúncios da Coca-Cola e Cola UHU. O Rapaz ficou tão confuso com o discurso deste Mosquito que bebeu a Cola UHU e tentou colar páginas do seu caderno com Coca-Cola. Desinformação faz disto.

Saltando e cantarolando uma música que ouviu pelo caminho na sua rádio do Pokemon Silver (era algo como “Tup-Tup-PI-PI-PI-PAM-PAM-Tup-Tup”, uma fantástica sinfonia, uma tour de force magistral de tamanhos epopépicos que levaria o pequeno coração do Rapaz a arrebentar de satisfação.
As raparigas que apanham o Rapaz a dançar gozavam com ele, insultavam o vigor e tamanho do seu pénis e acusavam-no de pertencer a uma outra orientação sexual. Coisas que o Rapaz prontamente esqueceu e continuou com a sua dança larilas pelo caminho.

No fundo do horizonte, o Rapaz reparou que estava um horizonte. Ao lado estava uma cabana velha e escura, jazia ao lado de um rio de água clara. Também jaziam quatro palhaços que, pela aparência, foram mortos com pistolas de água. Também jaziam todos os antigos vencedores do Ídolos de Portugal, todos eles acompanhados por sonhos desfeitos.

O Rapaz, amedrontado, aproximou-se da porta assustadora da cabana e bateu três vezes!!! E NEM MAIS UMA VEZ! Espera... afinal depois bateu outra vez, bateu quatro. Sim quatro vezes. Não... esquece, o puto bateu outra vez, foram cinco vezes. CINCO VEZES E NEM MAIS UMA VEZ! Ok, o cabrão do miúdo bateu outra vez, já são seis! A sério quem é que bate à porta seis vezes de seguida? Dá tempo pá.
Enfim... SEIS VEZES E NEM MAIS UMA VEZ! Depois um horrível silêncio abateu no cenário e um passo vagaroso começou a aproximar-se da porta. O Rapaz segurou-se a um palhaço morto como escudo, tal não era o seu medo.

Então alguém abriu a porta! Um senhor idoso. Um pescador que usava uma saia roxa  fascinante. Mas que maravilha! Os seus pés usavam sandálias Croc.  Tudo nele era mau gosto. O seu cabelo era feito de peças Lego e pastilha elástica Gorila.
Empunhava uma cana de pesca feita de dildos e rolos de papel higiénico, uma combinação aliciante e mirabolante. O Rapaz ficou admirado por ver tamanha estranheza num homem com barba e mais uma vez não ser um ideólogo Marxista.

A Viagem continua na próxima semana, na parte 2 de 2 d'O Pescador Que Usava Uma Saia. Como será o encontro entre o rapaz e o velho pescador? Que histórias e revelações sobre o seu pénigina? Será o Rapaz molestado? Será que o Pescador vai gostar da tarte?

Venham ler na próxima semana!!! 

7 de maio de 2012

Já se aproxima A VIAGEM DO BARCO AZUL CELESTE


Ahoy! Ahoy! Pequenos marujos de piscinas infantis!
É com imenso prazer (ups acabei de me vir) que vos apresento uma nova etapa deste blog precocemente ejaculado!!! Uma etapa orgásmica!

Apresento-vos A Viagem do Barco Azul Celeste ! Escrito por este que vos ama e ilustrado pela GENIAL Sónia dos Reis. Para ela aceitar o cargo tive que torturar aqueles que ela mais ama e dar um tiro num ursinho de peluche. Mas não me importo e voltaria a fazê-lo!

Amanhã sai já a primeira parte da Viagem do nosso herói, Rapaz. Sim, esse é o seu nome, a minha criatividade tem os seus limites. O Rapaz, juntamente com o seu barco azul celeste irá enfrentar perigos, experimentar emoções e ecstasy. Vai lutar contra dragões e pedófilos e mais perigoso que isso...DRAGÕES PEDÓFILOS! Sim, isso mesmo, monstros alados que cospem fogo e defloram rabos apertados.

É já amanhã pá! É já amanhã pá! Venham cá ao Blog do Foudasse Pedro e iniciem uma aventura que só irá acabar quando ficar sem ideias.  E meus amigos...isso é capaz de demorar um pouquito.



6 de maio de 2012

Vídeo do Caça ao Cómico

video

Ahoy! Ahoy! Já não escrevia aqui há algum tempo. Andei preso num turbilhão chamado TMN Caça ao Cómico. Agora depois de um descanso bem merecido, posso dizer que já tenho muita coisa escrita e outra planeada para colocar no Foudasse Pedro. Esta cabeça é um tanque de criatividade, disparo ideias com o meu canhão  de pujança!

A partir de amanhã esta merda vai bombar como um rabo com diarreia.

Hoje assinala a quase 1 semana que faço da final do TMN Caça ao Cómico, onde fiquei em segundo lugar e tive o prazer de participar com os novos génios do humor nacional.
Por isso andei a pensar nisso e lembrei-me dos poucos vídeos que mandei para concorrer ao dito concurso. E apresento-vos um deles. São uns quantos minutos de pura loucura!!!

O áudio começa a perder-se em relação ao vídeo, acho que é uma boa metáfora para a minha personalidade.

Agora vou montar no meu elefante perneta e saltitar daqui para fora, tenho um encontro com uma alface.
O pessoal diz que as alfaces são saudáveis, mas eu acho que esta fuma e bebe...